Collecção Sindika Dokolo, De Simon Njami

Collecção Sindika Dokolo, De Simon Njami

A Colecção Africana de Arte Contemporânea Sindika Dokolo foi criada em Luanda, Angola, em Abril de 2004, pelo empresário congolês Sindika Dokolo e pelo artista angolano Fernando Alvim, sendo parcialmente constituída pela Colecção Hans Bogatzke, adquirida por Sindika Dokolo, em Junho de 2005. Um ano mais tarde, a antiga Bogatzke representava cerca de um quarto da Colecção Dokolo.

Não se trata de uma colecção de arte africana, mas de uma colecção africana de arte. O objectivo dos seus promotores é inverter a tendência de expor a arte africana no estrangeiro, sem nunca a expor no continente. Trata-se, pois, de uma colecção radicada em África, o local onde pertence. A política da Colecção consiste em colaborar com os museus ocidentais para promover a visibilidade da arte africana contemporânea no continente. Uma instituição ocidental que exponha a colecção terá de contribuir para que ela seja exposta em pelo menos um país africano.

Após o desaparecimento de grandes obras-primas africanas devido à colonização, esta colecção pretende evitar que o mesmo se passe com as produções contemporâneas, e garantir a respectiva presença em solo africano. Muitos dos mais importantes artistas africanos têm exposto em todo o mundo, mas são praticamente desconhecidos no continente. Por via da exposição destas obras aos africanos, a Colecção procura estimular o conhecimento directo da arte contemporânea nos diversos países do continente.

Como exemplo desta filosofia, a Colecção apoiou a criação, em Luanda, de um centro de arte contemporânea, que será um parceiro importante na cena artística internacional. A Colecção participou igualmente na organização da primeira Trienal de Luanda, onde estiveram em exibição muitas obras do respectivo catálogo.

colleccao-sindika-dokolo_pt